Quando as organizações decidem terceirizar e contratam um fornecedor de TI, elas têm em mente todos os benefícios que essa estratégia pode trazer. Pois, além de reduzir custos, a também chamada Outsourcing de TI, pode garantir que a instituição esteja sempre com suas ferramentas atualizadas e, principalmente, focada em sua função principal.

Mas, muitas vezes, os fornecedores de TI não cumprem o que prometem em suas negociações. Então, quais são os sinais que precedem o colapso do serviço? Conheça nesse post as 6 falhas críticas que indicam que é hora de buscar um novo terceirizado.

1. Falta acompanhamento preventivo do fornecedor de TI

O custo real das falhas de equipamentos e softwares desatualizados é bem maior do que apenas os valores de seus reparos.

A indisponibilidade de sistemas e inoperância de equipamentos reduzem a produtividade dos serviços, atrapalham o fluxo de trabalho e comprometem a imagem da organização.

Como lidar com cidadãos frustrados por não terem seus serviços realizados em instituições públicas por falhas no sistema?

Por isso, é essencial que o fornecedor de TI crie um calendário de manutenções preventivas personalizado de acordo com as necessidades da contratante.

Quando não existe um acompanhamento preventivo regular, o tempo de vida útil da infraestrutura da corporação pode ser severamente reduzido, assim como essa falha pode aumentar os riscos de inatividade dos serviços.

2. Existe pouco envolvimento e orientações estratégicas

Esse sinal também denota a capacidade técnica do fornecedor e seu engajamento com a contratante, pois, uma vez que não oferece diagnósticos e propõe melhorias para os serviços, pode não dominar o assunto ou não valorizar o contrato.

Seguindo a linha preventiva, o fornecedor de TI deve sempre apresentar inovações que podem aumentar a performance dos serviços, mitigar riscos ou promover economias.

Esse envolvimento demonstra interesse pelo sucesso da organização e também que seu conhecimento e experiência está em constante expansão.

É preciso lembrar que a infraestrutura de TI pode limitar a evolução dos serviços se estiver defasada, por isso, de forma espontânea ou quando acionada, a empresa de TI terceirizada deve dar apoio constante.

3. O fornecedor sugere soluções obsoletas

Alguns fornecedores até cumprem a função de sugerir melhorias e dar consultorias, mas apresentam soluções obsoletas ou em desacordo com as necessidades da organização.

Com diagnósticos regulares, é possível identificar quais ferramentas estão ficando defasadas, assim como o acompanhamento e apoio estratégico podem auxiliar na compreensão das evoluções que o serviço deseja realizar.

Órgãos públicos que oferecem serviços por sistemas enfrentam diversos desafios como potencializar a experiência do usuário, ter alta capacidade de processamento, segurança das informações e integração com outras ferramentas.

Se o fornecedor de TI não compreende essa realidade e tem conhecimento sobre as melhores soluções para esses problemas disponíveis no mercado, não estará prestando o serviço pelo qual foi contratado.

É o caso de soluções de segurança. A Vectra oferece opções como segurança de perímetro e gestão de identidades e usuários privilegiados que não deixam lacunas operacionais ou excesso de falso positivo.

Em outras palavras, essas medidas não são sugeridas apenas para sanar eventuais tentativas ou ataques cibernéticos e fraudulentos, mas para protegerem os dados de forma efetiva e abrangente.

4. O suporte faz o uso incorreto do SLA

O Service Level Agreement é o documento que ditas as regras, níveis de qualidade e tempo de resposta para os serviços de TI contratados, mas é esperado que a prestadora de serviço queira sempre superar as expectativas.

Um sinal forte de que está na hora de trocar seu prestador de serviços de TI é o uso regular da SLA para justificar prazos de respostas mais extensos.

Isso pode ocorrer quando o terceirizado enfrenta problemas com sua equipe ou assume contratos além de sua capacidade operacional.

Ainda que esteja previsto em contrato, o fornecedor, como peça fundamental para o sucesso da organização a qual presta serviços, deve ser parceiro e dar o apoio necessário no menor tempo possível.

Suporte remoto e presencial também deve obedecer essa mesma lógica. Se ficar claro que uma visita na contratante pode trazer resultados mais rápidos, mesmo que não esteja prevista na SLA, é esperado que a fornecedora dê a melhor tratativa.

5. Existência de falhas recorrentes na Governança

Segurança e confiabilidade das informações são dois temas fundamentais para gestores e responsáveis pela área de TI que precisam atender normas rígidas nacionais e internacionais, e a Governança é uma solução desse cenário.

Como um conjunto de melhores práticas, padrões e estruturação de relacionamentos entre os diversos tipos de usuários, tem como finalidade mitigar riscos, ampliar o desempenho e suportar as decisões estratégicas da empresa, ou, alinhar a TI com a instituição.

Muitas fornecedoras de TI, porém, fazem a Gestão de Portfólios e Projetos (PPM) totalmente em desacordo com as estratégias da contratante, e em vez de sincronizar processos e sistemas internos de cada portfólio, acabam direcionando as ações da corporação para o fracasso.

Um bom PPM deve apurar informações detalhadas sobre os custos benefícios dos projetos, trazer análises sobre a melhor alocação de recursos e possíveis impactos nos serviços.

Sem a excelência nesses detalhes, o PPM não pode orientar os Governantes de TI ou tomadores de decisão das instituições sobre a melhor maneira de fazer investimentos na infraestrutura e qual a escala de prioridades para as melhorias propostas.

6. O suporte está acomodado e sem interesse em auxiliar na evolução da contratante

A área de TI é marcada por suas inovações e profissionais altamente especializados, o que é um dos pontos fundamentais para a terceirização desse serviço.

Corporações podem focar seus esforços em seus serviços principais, e contar com um suporte altamente capacitado.

É de se esperar, então, que o suporte prestado por esses profissionais também alavanque o fator de inovação das empresas e instituições que os contratam.

Mas para estabelecer uma relação de dependência e reter as corporações que os contratam, alguns fornecedores de TI atrelam as evoluções que poderiam ser promovidas às renovações contratuais, por exemplo.

Além dos efeitos nos resultados e performance dessas corporações, tal conduta vai contra preceitos éticos comerciais.

A escolha de um bom fornecedor de TI deve ser muito criteriosa, assim como sua eventual troca. Nesses casos, para não haver comprometimento dos dados e possíveis sabotagens, o mapeamento em background é o mais recomendável.

Quer conhecer outros cuidados que precisam ser tomados nesse processo? Entre em contato com a Vectra e converse com os melhores especialistas em TI terceirizada.