Com os incríveis avanços e facilidades proporcionadas pela tecnologia, somos cada vez mais dependentes dela. A internet já se tornou fundamental para os mais diversos setores da sociedade, inclusive para o público.

Entretanto, uma contrapartida dessa situação é que passamos a ficar vulneráveis a ciberataques que, por sua vez, também são cada vez mais sofisticados e, consequentemente, perigosos.

Especialmente para o setor público, é fundamental manter os dados e arquivos armazenados protegidos de ciberataques. Mas por que essa ameaça é tão forte? E como, exatamente, você pode se defender contra eles? É o que mostramos no post de hoje. Continue a leitura e mãos à obra!

A ameaça dos ciberataques

O setor público trabalha com informações confidenciais e interligadas. Sendo assim, um ciberataque em qualquer instância da área pode trazer consequências devastadoras para inúmeros departamentos e pessoas.

Além disso, como a globalização é crescente tanto no setor público quanto na área de tecnologia, os perigos do ciberataque podem ter alcance internacional. Diante desse contexto, proteger-se diante de ataques do tipo torna-se fundamental não apenas para preservar a autonomia e a eficiência do trabalho, mas para proteger a própria população.

Quando o setor público tem estratégias planejadas especialmente para a ocasião de um ciberataque, é possível proteger os dados e sistemas contra eles. E mesmo que um ataque chegue a acontecer, a prevenção e a ação rápida podem ser capazes de impedir que ele alcance todos os seus objetivos, diminuindo, assim, sua gravidade.

As estratégias de proteção

Agora que você já entendeu melhor o perigo que os ciberataques representam e a importância de se proteger contra eles, chegou a hora de você conhecer as melhores estratégias para impedir que os ciberataques atinjam o setor público. Fique de olho!

1. Não armazene dados sem necessidade

Com as facilidades proporcionadas pela internet, nos acostumamos a ter todos os nossos dados salvos nos sites e sistemas que acessamos com frequência. Mas será que essa praticidade compensa o risco de ter essas informações invadidas? Nem sempre.

Portanto, antes de determinar o que será salvo em cada site e/ou sistema do setor público, avalie se é realmente fundamental que aquele dado permaneça armazenado e, portanto, vulnerável em caso de ciberataques.

Quando falamos de dados financeiros, pessoais e de documentos, por exemplo, é mais interessante simplesmente informá-los a cada vez que eles forem necessários do que deixá-los expostos a invasores digitais.

2. Faça backups dos arquivos críticos

Uma das mais comuns e perigosas formas de ciberataque acontece por meio do chamado ransomware, vírus instalado no computador sem o seu conhecimento e que, então, consegue acessar tudo o que está salvo ali. Quando os criminosos encontram os principais arquivos, solicitam uma recompensa financeira em troca deles.

A solução para essa ameaça é fazer um backup regular de todos os arquivos críticos armazenados nos HDs do setor público. Dessa forma, eles poderão ser guardados offline e, portanto, totalmente protegidos contra ciberataques.

3. Proteja a rede wi-fi

Ciberataques podem ser iniciados a partir da própria rede wi-fi do estabelecimento. Portanto, é fundamental que você estabeleça um firewall forte para a rede e tenha uma equipe dedicada a ficar de olho e fazer a manutenção na internet com regularidade.

Dessa forma, qualquer ameaça poderá ser percebida com antecedência. Mesmo com esses procedimentos garantidos, é importante sempre manter alguns computadores fora da rede wi-fi. Assim, caso haja uma invasão, pelo menos essas máquinas estarão totalmente protegidas.

4. Mantenha os sistemas atualizados

Um dos procedimentos mais básicos e fundamentais para se proteger contra ciberataques é manter todos os sistemas atualizados. Como falamos lá na introdução, os avanços da tecnologia e das invasões digitais caminham lado a lado.

Diante disso, os sistemas ganham versões atualizadas com frequência, trazendo novas maneiras de proteger os dados ali armazenados de ataques malignos. Então, se você deixá-los desatualizados, ficará vulnerável devido a essas lacunas na proteção que foram eliminadas nas versões futuras.

5. Organize um plano de contingência

Mesmo colocando em prática todas as estratégias de proteção possíveis, você continuará tendo uma chance, mesmo que remota, de sofrer um ciberataque. Então, pense naquele velho ditado de que “é melhor prevenir do que remediar”.

Você deve ter um plano de contingência em mãos para o caso de qualquer invasão acontecer no setor público. Nessas horas, é fundamental manter a calma e conseguir proceder com eficiência e rapidez, sem se entregar ao desespero.

Adotando os procedimentos previamente combinados para situações de ataque, você poderá minimizar consideravelmente a escala da invasão e, assim, proteger seus dados e arquivos pelo menos até certo ponto. Como resultado, derrotar os invasores, se recuperar posteriormente e lidar com as consequências será muito mais simples.

6. Eduque toda a equipe

Quem trabalha na área de TI e possui expertise sobre o mundo digital sabe bem que diversos usuários ainda possuem conhecimentos muito básicos sobre sistemas, redes e internet.

Portanto, um dos maiores desafios no combate a ciberataques é proteger os dados e computadores de erros simples cometidos pela falta de conhecimento ou pela ingenuidade do usuário.

Para evitar que os colaboradores abram um anexo que contém vírus, cliquem em links malignos, informem seus dados em sites desprotegidos e coloquem as informações do departamento em perigo, toda a equipe deve receber treinamentos quanto à importância dos cuidados na internet e, também, especificamente sobre o plano de contingência.

Dessa maneira, você acrescenta uma frente em sua batalha contra ciberataques e, além disso, garante uma equipe digitalmente mais esperta e, portanto, mais eficiente.

7. Não se esqueça dos dispositivos móveis

Muitas vezes, o TI fica tão focado nas redes e sistemas dos computadores que pode acabar esquecendo que os dispositivos móveis também podem ser invadidos por criminosos digitais. Não cometa esse erro!

Se a equipe do setor público utiliza tablets e smartphones para fins profissionais, os dados e arquivos discutidos e compartilhados ali também devem ser protegidos. Para tanto, verifique a possibilidade de antivírus específicos para dispositivos móveis, proíba a instalação de apps não verificados e controle o que pode ser feito nesses aparelhos.

E então, pronto para proteger o setor público contra ciberataques? Quer continuar aprimorando cada vez mais seu serviço de TI? Assine agora mesmo a nossa newsletter e fique por dentro de todas as melhores novidades e dicas sobre tecnologia!