O dia a dia de um hospital envolve tantas áreas, demandas e profissionais diferentes que, muitas vezes, a sensação é de que estamos em meio ao caos. Entretanto, como você bem sabe, a situação é, na verdade, muito diferente! Cada departamento e colaborador cumpre uma função ali dentro, atuando de maneira integrada e eficiente.

Nesse contexto, o gerenciamento de farmácia hospitalar torna-se uma estratégia muito importante. Afinal, quando problemático, ele pode resultar em diversos obstáculos e até mesmo erros complicados que podem ser prejudiciais.

Quer ficar por dentro do assunto? Então, continue a leitura e descubra as melhores práticas para o gerenciamento de farmácia hospitalar no seu hospital!

1. Revise estrategicamente o orçamento

O objetivo principal do gerenciamento de farmácia hospitalar é, obviamente, garantir o conforto e o bem-estar do paciente. Entretanto, é impossível negar que o departamento é um dos mais caros dentro do hospital. Como equilibrar esses dois pontos?

Revise o orçamento ponto a ponto e então, reduza as despesas. O responsável pelo setor farmacêutico deve ser capaz de abraçar a causa e estar em forte contato com os demais gestores, para certificar-se de que o orçamento revisado está de acordo com suas exigências.

Feito isso, você terá o entendimento de que reduziu tudo o que podia dos gastos, pelo menos inicialmente. Lembre-se de que aplicar uma série de pequenas diminuições estratégias é mais vantajoso do que implementar uma grande alteração irreversível em nome da economia, como demitir colaboradores ou não substituir um equipamento.

2. Fique atento às datas de validade dos remédios

Quando falamos de remédios, é imprescindível mantermos uma atenção afiada quanto a suas datas de validade. Além dos medicamentos em si, outros insumos utilizados para a realização de exames, como o contraste, são altamente perecíveis e, se forem usados após o prazo de expiração, podem ter consequências gravíssimas para o paciente.

Além disso, mesmo que eles não cheguem a ser prescritos, remédios fora da validade representam um desperdício de dinheiro que, a longo prazo, pode se mostrar gigantesco — ainda mais considerando que poderia ter sido evitado.

Portanto, você deve manter um controle forte quanto à validade de tudo o que se encontra na farmácia hospitalar. Para evitar que remédios sejam desperdiçados, invista em controles de estoque rigorosos e no planejamento na hora de efetuar as compras.

3. Procure sempre o melhor custo-benefício

Obviamente, é fundamental que você adquira os melhores e mais eficientes medicamentos e outros produtos para sua farmácia hospitalar. Entretanto, isso não significa necessariamente comprar os itens mais caros que você puder encontrar!

No mundo dos remédios, assim como em qualquer outro, uma série de outros fatores está atrelada à precificação do produto, como a reputação da empresa — que também não é exatamente a mesma coisa que qualidade.

Sendo assim, você deve buscar sempre pelo melhor custo-benefício para estocar a farmácia. Como já falamos, isso nem sempre vai significar o remédio mais caro. Entretanto, nas vezes em que isso for verdade, lembre-se de que, se você adquirir algo de eficiência duvidosa, no final, o barato sairá — muito — mais caro.

Além disso, é claro, falar de remédios envolve falar também da saúde do paciente, algo com o qual o hospital não pode brincar. Garanta sempre o melhor medicamento para ele, certificando-se de que seu hospital continuará sendo capaz de atender a todos da melhor maneira possível.

4. Mantenha boas relações com os fornecedores

Os fornecedores do seu hospital são seus parceiros, e você deve ser capaz de manter com eles relações à altura de sua importância para a gestão e continuidade dos serviços do seu estabelecimento de saúde.

Inicialmente, é fundamental pesquisar muito bem o fornecedor, garantindo que ele esteja alinhado com seus objetivos e necessidades e que seja capaz de atender suas demandas. Após essa definição, a importância do diálogo e da confiança mútuas permanece.

Esse relacionamento de qualidade (para os dois lados!) entre hospital e fornecedor é muito importante para que você tenha suporte sempre que for necessário, para que a empresa seja transparente em termos de qualidade, prazos e quantidades, e para que você possa contar com ela em uma emergência ou imprevisto.

Dessa maneira, você certifica-se de que a farmácia hospitalar tem um fornecedor envolvido com seu dia a dia, promovendo assim maior autonomia e segurança para os colaboradores que atuam no setor.

5. Conte com o suporte da tecnologia

A tecnologia revolucionou, e continua revolucionando, a realidade dos mais diversos setores da sociedade. Quando falamos das mudanças que ela trouxe para o gerenciamento, a farmácia hospitalar não fica de fora!

Um sistema de gestão, por exemplo, pode se mostrar um fortíssimo aliado. Com ele, você e os colaboradores da farmácia poderão fazer todo o controle de estoque, compras, pagamentos, entregas, encomendas, administrações, datas de vencimento, enfim, tudo o que fizer parte do cotidiano do local, em um único espaço.

Isso dinamiza os processos, pois qualquer informação poderá ser encontrada facilmente por quem precisar dela e porque os dados serão integrados. Dessa forma, é possível gerenciar estoque ao lado de compras, administração ao lado de entregas, ou o que mais for necessário, lado a lado.

Você será capaz de enxergar a farmácia como um todo automaticamente, e não mais como partes isoladas que você mesmo deve encaixar. Isso facilita muito a gestão, trazendo mais produtividade e otimização para a farmácia hospitalar.

6. Dê atenção ao paciente

Em nossa última sugestão das melhores práticas para a gestão da farmácia hospitalar, voltamos à figura que se encontra no centro de tudo o que acontece no local: o paciente.

Quando alguém se dirige até a farmácia do hospital, provavelmente está passando por um momento difícil, seja devido a sua própria saúde ou a de um familiar querido. É um período de fragilidade, dúvidas, incertezas. O farmacêutico, portanto, deve se mostrar atencioso, compreensivo e tranquilo, tirando todas as dúvidas da pessoa.

Além disso, muitos pacientes crônicos frequentam a farmácia hospitalar com regularidade. Incentive-os a se sentirem confortáveis ali dentro. Aqui, o farmacêutico também deve atuar sempre de maneira calma e prestativa.

Falando mais diretamente da gestão, os colaboradores da farmácia devem ficar atentos para cadastrarem todos os pacientes que passarem por ali de maneira correta. Depois, é necessário ter cuidado para manter essas informações atualizadas. Isso permite um melhor entendimento e planejamento, desde as compras até o atendimento.

E então, gostou de entender como conquistar um excelente gerenciamento de farmácia hospitalar? Tem experiências relevantes dentro da área para compartilhar com a gente? Continuou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe seu comentário e entre para a conversa!