O potencial da análise de Big Data em saúde é imenso. Aplicativos tradicionais de processamento de dados não são capazes de lidar com a complexidade, o volume e a velocidade de dados gerados pelo setor de saúde.

Mas a mineração ou prospecção desses dados pode extrair informações valiosíssimas, que, nas mãos certas, salvam vidas. O Big Data é uma tendência que pode ajudar a encontrar as respostas que ainda não temos na área de saúde.

Neste artigo, vamos falar sobre alguns dos benefícios que já existem com a utilização dessa tecnologia e como ela deve viabilizar muitos avanços na saúde.

Aplicando o Big Data em saúde

O termo Big Data é usado para dados que são tão grandes e complexos que não podem ser gerenciados em aplicativos tradicionais de processamento de dados. Técnicas avançadas são necessárias para coletar, armazenar, analisar, extrair, buscar e visualizar informações que partem destes dados.

Em qualquer área, a coleta, análise e compreensão de dados são fatores definitivos no processo de tomada de decisão. Mas quando o assunto é medicina, entender dados é uma questão de vida ou morte. Por isso, o Big Data em saúde é uma tecnologia que pode revolucionar a vida de profissionais de saúde e pacientes.

Médicos não fazem escolhas baseadas em suposições aleatórias. Para qualquer decisão envolvendo pacientes, eles fazem uma avaliação de dados, sejam eles exames complexos ou uma análise clínica. Em um trabalho em que o erro é fatal, é muito importante ser preciso e efetivo.

Empresas e organizações de saúde também podem se beneficiar do Big Data, com pesquisas mais ricas para desenvolver seus produtos e análises preditivas baseadas em dados que podem identificar um iminente surto de uma doença em uma região, permitindo reações e planos estratégicos antecipados.

Para os pacientes, o Big Data também traz benefícios: é sempre importante ter os melhores dados possíveis à mão para saber cuidar melhor da própria saúde.

Lembrando que para utilizar o Big Data, é preciso integrar diferentes soluções de uma forma que não se percam dados e informações importantes. Para conseguir realizar isso, é necessário investir na gestão de API: sem ela, não é possível flexibilizar e assegurar a troca de informações necessárias para o Big Data.  

Compreensão melhor de doenças e problemas de saúde

Uma das principais aplicações da análise do Big Data em saúde é na área de pesquisas. Uma compreensão melhor de doenças como o HIV e o câncer pode surgir partindo da mineração do imenso volume de dados de saúde disponíveis.

No caso de um vírus como o HIV, é esperado que a análise do Big Data possa acelerar a descoberta de tratamentos e até uma vacina; os padrões de mutação e muitas variações do vírus formam o principal desafio para que isso aconteça. Ser capaz de enxergar através dos dados pode mudar esse panorama.

Para o câncer não seria tão diferente: analisar e cruzar dados de todos os lugares do mundo criaria protocolos de tratamento para todos os tipos de tumores.

Os médicos poderiam avaliar com bem mais facilidade casos semelhantes ao do seu paciente e adotar as formas de combater a doença que funcionaram melhor.

Pesquisas mais rápidas para novos medicamentos

A indústria farmacêutica pode se beneficiar do Big Data para acelerar suas pesquisas de novos medicamentos e tratamentos farmacológicos.

Além de analisar dados de pacientes que podem fornecer avaliações quantitativas das reações dos pacientes aos medicamentos, o uso do Big Data reduz custos e tempos de pesquisa de novas drogas.

Controle de epidemias globais

Cruzando dados de localizações, pacientes, viagens e relatórios médicos, é possível traçar o caminho e realizar análises preditivas de epidemias como dengue, febre amarela e ebola. De posse dessas informações, é mais fácil para governos e autoridades de saúde tomarem ações afirmativas para o controle delas.

Além ajudar a traçar o mapa com dados epidemiológicos, o Big Data também pode ser ferramenta para entender quais as melhores estratégias para combater essas doenças em escala global, avaliando práticas que deram certo em locais e épocas diferentes.

Monitoramento de saúde mais eficiente

Com o Big Data, é mais fácil para pacientes entenderem suas predisposições para certas doenças, partindo de uma análise dos dados de familiares e pessoas com estilo de vida parecidos, por exemplo.

Mas além de ajudar a realizar análises preditivas, o Big Data é importante para monitorar a saúde desses pacientes. Combinando desde exames regulares até gadgets vestíveis que podem fornecer dados, como smartwatches, é possível ter uma visão mais completa de quais são os riscos para a vitalidade de cada pessoa.

Redução de custos em clínicas e hospitais

A análise do Big Data permite também que a operação em clínicas e hospitais fique mais barata, sem comprometer a qualidade e eficiência do serviço. A ferramenta tem diversas aplicações na gestão hospitalar.

Na verdade, com uma gestão orientada a dados, é possível realizar análises preditivas para entender melhor os projetos clínicos que serão mais exigidos pela instituição de saúde, permitindo um direcionamento mais focado a resolução destes problemas.

Com estatísticas e métricas, a tomada de decisão dos gestores de clínicas e hospitais fica mais apurada, atende melhor necessidades da comunidade e evita desperdícios.

Uma medicina mais personalizada

Aplicar o Big Data em saúde é uma forma de deixar a medicina mais personalizada para cada paciente.

Com procedimentos e protocolos de todo tipo armazenados em bancos de dados e vários cruzamentos de informações, um profissional de saúde é capaz de identificar tratamentos que funcionam melhor para cada paciente.

As informações coletadas por um médico podem ajudá-lo, por exemplo, a saber qual tipo de medicamento funciona melhor em pacientes com características físicas similares ao atual. Também será possível entender e evitar riscos em procedimentos cirúrgicos e internações, por exemplo.

Padrões e protocolos médicos de excelência universais

E ao mesmo tempo que os dados de pacientes deixam o tratamento médico mais personalizado, essas mesmas informações podem levar a criação de padrões e protocolos médicos de excelência que possam ser usados no mundo todo.

É muito importante para o trabalho de profissionais da área de saúde a existência de processos protocolados que aumentam a velocidade e eficiência do seu trabalho. Mas é preciso muita pesquisa para determinar um padrão confiável e efetivo na área.

As melhores soluções do setor hoje são padrões que só foram estabelecidos depois da avaliação rigorosa de dados sobre sua eficácia. Adotar Big Data em saúde permite que seja possível validar procedimentos com bancos de dados maiores e constantemente atualizados, no mundo inteiro.

Agora que você já sabe os benefícios da utilização do Big Data em saúde, aproveite para compartilhar essa postagem com seus colegas da área nas redes sociais!