O trabalho na área de Tecnologia da Informação é desafiador. É preciso atender às demandas de outros setores enquanto se garante a boa execução das atividades para facilitar as tomadas de decisão estratégicas. Como assegurar isso? Por meio da contratação de profissionais de TI adequados.

O sucesso no processo de recrutamento e seleção passa por uma série de fatores. A empresa precisa realizar um procedimento eficiente e eficaz, bem como atentar às características importantes para os candidatos que vão ocupar o cargo. Além disso, é necessário considerar se é melhor internalizar a equipe ou terceirizá-la.

Para ajudá-lo a definir o que é melhor para a sua organização, neste post, indicaremos o que deve ser considerado na contratação de profissionais para constituir uma equipe de sucesso e quando é melhor terceirizar a execução dos serviços. Vamos lá?

As características importantes para os profissionais de TI

O processo de recrutamento e seleção passa por diferentes variáveis e uma delas é as características necessárias ao profissional que ocupará o cargo de TI. As competências mais relevantes são:

Conhecimento

O know-how é fundamental e o profissional deve buscar constante aprendizado. Procurar congressos, seminários, webinars, mestrados e especializações é uma atitude importante para se manter atualizado e ganhar destaque perante a concorrência. Nesse contexto é imprescindível também saber sobre Big Data e, se possível, ter experiência em governança de dados.

Domínio sobre o negócio

A TI é uma área central e que deve desempenhar uma função relevante para as tomadas de decisão. Por isso, o profissional deve dominar a área de negócio e compreender como toda a organização funciona. Dessa maneira, é possível integrar os setores a fim de agilizar a entrega dos projetos.

Comunicação

Essa habilidade permite ao profissional atuar mais proativamente e ter uma posição de liderança. A boa comunicação também facilita o contato com gestores e colaboradores de outras áreas, o que simplifica a execução de projetos.

Capacidade de se adaptar às mudanças

A área de TI está em constante transformação e seus processos precisam ser revisados com frequência. Adaptar-se bem a esse cenário é fundamental para o profissional, bem como ser ousado e saber quando sugerir modificações no caminho que está sendo trilhado. Essa característica demonstra que o especialista é proativo e pensa além de sua função. Por isso, é capaz de contribuir para o crescimento empresarial.

Habilidade em tomar decisões

O profissional de TI deve ser capaz de controlar e solucionar problemas, colocando os conhecimentos teóricos em prática. Sua visão mais ampla do negócio colabora para as tomadas de decisão, que passam a ser mais acertadas com sua ajuda.

Relacionamento

O profissional tende a ter uma trajetória mais relevante se tiver um bom networking e se dar bem com outras pessoas. Essa característica é positiva para sua personalidade e comportamento e evidencia sua capacidade de se ajustar ao cargo e entrar em contato com as outras equipes.

Predisposição para a inovação

Esse é o segredo para o sucesso organizacional — e o profissional de TI é capaz de colaborar para esse processo. Ele deve ser ousado e flexível, ter uma visão empreendedora e proatividade para criar portfólios de serviços e aprimorar os já existentes. Em outras palavras, deve fazer a gestão da inovação tecnológica ao tirar as ideias do papel e colocá-las em prática.

O sucesso na contratação

A definição das características necessárias ao profissional que ocupará um cargo na TI ainda suscita a dúvida: como contratar os candidatos mais adequados? Existe um passo a passo que ajuda a colocar essa ideia em prática:

Divulgue a vaga na internet

A primeira etapa é saber quais são os objetivos da sua empresa e as habilidades necessárias ao profissional. Indique quais são as linguagens de programação necessárias e saiba quais capacidades testar. Dependendo do orçamento disponível, busque candidatos no LinkedIn, peça recomendações aos colegas, divulgue a vaga em locais específicos e visite universidades.

Participar de hackathons e encontros de tecnologias é outra sugestão interessante, porque os talentos estão mais dispostos a conversar com você.

Analise os sinais enviados pelos candidatos

A remuneração é um atrativo interessante, mas deve haver outros. Saiba quanto o mercado de trabalho paga para a função e ofereça uma renda compatível. Além disso, lembre-se de focar a experiência adquirida, a possibilidade de trabalhar com projetos complexos, a melhor qualidade de vida e uma boa cultura empresarial. Perceba se o candidato está entusiasmado, porque é assim que se conseguirá garantir uma contratação de sucesso.

Teste os candidatos

Nessa etapa a ideia é analisar o portfólio, verificar as competências dos interessados na vaga e testá-los. Veja qual é a experiência de cada um, como se saem na elaboração da prova — que deve testar seus conhecimentos técnicos — e quais são seus conhecimentos em:

  • risco, ou seja, se já trabalharam em controle da qualidade;

  • atendimento ao usuário, para identificar se já prestaram suporte;

  • escopo, a fim de compreender os desafios já enfrentados em projetos anteriores.

Concentre-se no aprendizado

As mudanças constantes da área de TI fazem com que seja impossível ter certeza de quais habilidades e conhecimentos serão fundamentais no futuro. Por isso, o mais importante é o candidato conseguir aprender rápido. Verifique sua capacidade de buscar conhecimento online, qual sua proatividade para o estudo autodidata e se ele acha relevante essa atitude de constante busca de informações.

Avalie a aderência à cultura organizacional

Um bom profissional nem sempre se dá bem no cargo que ocupa por falta de alinhamento à cultura da empresa. Portanto, vale a pena analisar esse aspecto para ter certeza de que a opção é acertada. Você pode saber isso inserindo cases que simulam situações comuns e verificando qual é o posicionamento do candidato diante daquele contexto.

Atue voltado à retenção de talentos

A rotatividade de colaboradores pode ser grande no setor de TI, porque há escassez de profissionais. Por isso, convites de outras empresas são comuns. O ideal é trabalhar com foco na retenção de talentos por meio da oferta de treinamentos, feedbacks e avaliações frequentes. O colaborador deve saber o que a organização espera dele, quais são seus pontos positivos e o que ainda precisa melhorar.

Dessa forma, há mais consciência sobre responsabilidades, erros, acertos e expectativas.

Terceirização x internacionalização: como saber o que é melhor

Todas as dicas anteriores demonstram que a formação de uma equipe de TI exclusivamente interna é difícil. O investimento na contratação de profissionais é alto e o trabalho para retê-los deve ser constante. Por isso, é importante considerar a possibilidade de terceirização.

O chamado outsourcing nem sempre é a melhor alternativa — tudo depende do contexto em que sua empresa está inserida e das demandas que surgem para ela. No entanto, essa é uma forma de desafogar os serviços e tirar a sobrecarga dos profissionais. O resultado é a execução de um trabalho com melhor qualidade e que trará diversos benefícios.

Nesse cenário, é importante frisar que os colaboradores internos são excelentes para cuidar de demandas da equipe, que precisam ser rapidamente solucionadas para evitar prejuízos. Já a terceirização é uma alternativa válida para atividades mais complexas, como a implantação da governança, monitoramento de TI, melhoria do desempenho da infraestrutura e por aí vai.

Em resumo, a definição do que é melhor depende de algumas variáveis, entre elas: as demandas da organização, as atividades executadas, a rotina de trabalho e os resultados esperados. A partir disso fica mais fácil chegar ao equilíbrio e ver como a terceirização pode ajudar.

E você, já usa essas técnicas para contratar profissionais de TI? Aproveite para analisar melhor a produtividade dos colaboradores pelo desktop analytics, que ainda traz outros 6 benefícios para a equipe.