Manter informações e processos estruturados é essencial para qualquer organização que pretenda ter alta performance e alta produtividade.

As soluções digitais modernas foram introduzidas no setor judiciário para facilitar a execução de tarefas e criar um ambiente mais seguro. Porém, você realmente é capaz de compreender a importância da governança de TI para a área?

Se a sua resposta foi não, este post foi feito para você! Entenda de vez o peso que as novas formas de gestão introduziram no setor e como elas impactam a qualidade de todas as tarefas dos colaboradores na área.

O que é a governança de TI?

De acordo com o ministro do Tribunal de Contas da União Aroldo Cedraz, governança de TI (GTI) pode ser entendida como sendo o conjunto estruturado de políticas, normas, métodos e procedimentos destinados a permitir à alta administração e aos executivos o planejamento, a direção e o controle da utilização atual e futura de tecnologia da informação, de modo a assegurar, a um nível aceitável de risco, eficiente utilização de recursos, apoio aos processos da organização e alinhamento estratégico com os objetivos dela mesma. Seu objetivo, pois, é garantir que o uso da TI agregue valor ao negócio da organização.

Em síntese, GTI nada mais é que um braço da governança corporativa, correspondendo a um conjunto sistematizado de práticas assumidas por gestores, técnicos e usuários de TI em uma organização criada para aumentar processos de segurança, efetividade de controles e para otimizar o desempenho de todos os seus setores, ou seja, alinhando-os.

Ela pode ser entendida como verdadeira “gestão da gestão”, sendo imprescindível para que o governante de TI possa avaliar quais os rumos a serem tomados para que dada companhia alcance seus objetivos e missão.

Quais os principais modelos da GTI?

Uma implementação efetiva da GTI é possível apenas com a realização de um modelo organizacional específico: nem sempre o que vale para um órgão ou companhia serve para os outros. Cada programa deve considerar o universo particular de cada companhia com suas dificuldades, cultura e especificidades.

Os principais modelos de trabalho da GTI — também chamados de frameworks — que podem guiar a elaboração de uma estratégia são:

  • CobIT (Control Objectives for Information and related Technology);

  • ITIL (Information Technology Infrastructure Library);

  • CMMI (Capability Maturity Model Integration);

  • PmBOK (Project Management Body of Knowledge).

O CobIT é o método mais presente no mercado. Ele possui recursos como sumário executivo, indicadores de performances e guias com técnicas de gerenciamento, sendo utilizado para medir e assegurar a qualidade dos serviços de TI.

O ITIL, por sua vez, é voltado para o público, a medida que foca nos serviços de TI e diz respeito ao conjunto de práticas para gerenciá-los por meio de bibliotecas.

O CMMI e o PmBOK também avaliam métricas e indicadores, porém envolvem mais a formação de orientações para gerenciar infraestruturas e desempenho de recursos.

Qual a importância da GTI para uma gestão estratégica?

Ter alta produtividade e aproveitar o melhor que os recursos tecnológicos têm a oferecer são ambições de qualquer organização ou negócio. Entretanto, a realidade demonstra que, apesar de as companhias modernas dependerem muito de TI, os orçamentos ficaram cada vez mais apertados, de forma que conseguir a aprovação de projetos para a área é bastante difícil.

Entretanto, a governança de TI vale o investimento e não deve ser preterida em favor de outros gastos. Ele é essencial para uma gestão estratégica à medida que implementa ações que promovam, na prática, um alinhamento dos diversos setores da organização com seus objetivos e diretrizes.

Além disso, colocar um plano de gestão deste tipo em ação permite que se aplique um conjunto de práticas estruturadas que de fato otimizem a atuação de toda a instituição, aproveitando por completo toda a produtividade dos colaboradores para que sirvam aos seus propósitos.

Todo programa de governança (e em especial o planejado especificamente para o setor jurídico) não envolve apenas questões operacionais, conquanto impacta também no maior respeito a regimentos, regulamentações e outras normas que a organização deve seguir.

Por que a governança de TI é essencial para o setor judiciário?

A governança de TI é essencial para o setor judiciário porque cria padrões e relacionamentos de forma estruturada, aumentando a comunicação entre setores que podem enfrentar muita dificuldade de serem coordenados, envolvendo profissionais técnicos, diretores, gestores etc.

Em um setor que mostra por vezes muita desunião em função da quantidade de braços formados, a GTI acaba se mostrando a maneira mais eficaz para garantir a fluidez de processos e seu controle efetivo, principalmente no que tange à segurança das informações.

Desta forma, com uma boa GTI é possível que o órgão:

Além disso, uma boa GTI minimiza riscos e reduz gastos, o que é objetivo de qualquer órgão que dependa de recursos governamentais para funcionar, fazendo com que a organização mantenha-se dentro de suas diretrizes orçamentárias.

Isto porque a governança permite a tomada de decisões baseadas em um planejamento realista, completamente voltado para uma atuação preventiva que antecipa soluções para problemas que possam vir a impactar o equilíbrio da organização antes mesmo que eles aconteçam.

Como implantar a GTI com eficiência na prática?

Implantar a GTI com eficiência exige dedicação e pode ser muito mais simples com a ajuda de empresas especializadas na área. A princípio, é necessário avaliar a organização e observar o que pode e o que deve ser atualizado, respondendo às questões como as seguintes:

  • Quais decisões podem ser tomadas para garantir uma boa gestão e a utilização eficaz da TI?

  • Quem são as pessoas responsáveis por estas decisões e como estão se saindo na tarefa?

  • Como tomar novas decisões e monitorá-las na prática?

Uma avaliação precisa contará com mais questões, devidamente apropriadas para as necessidades dos órgãos mas serão essas a nortearem um bom plano de ação. Com a identificação de tais elementos, será possível definir metas coerentes com os processos da organização.

E então, conseguiu entender a importância da governança de TI para o setor judiciário? Assine nossa newsletter e não perca mais nenhuma dica para otimizar processos e aumentar a produtividade da sua organização!