O conceito de compliance vem ganhando um espaço cada vez maior ao longo dos últimos anos e, agora, promete tornar-se parte fundamental das empresas de diversos setores. A tendência é tão forte que a revista Exame apontou o advogado especializado em compliance como uma das profissões mais promissoras de 2017.

O termo vem do inglês e, em tradução literal, significa obedecer. Enquanto conceito judiciário, a ideia é essa mesma: estar em conformidade, obedecer, satisfazer determinada imposição, comprometer-se.

Assim, uma empresa pode ser considerada “em compliance” quando estiver em dia com todas as suas obrigações legais, éticas e legislativas. Por isso, nessa organização, os gestores e os colaboradores preservam sua integridade, autonomia e resiliência.

Quer entender melhor o conceito de compliance e por que ele é cada vez mais imprescindível para o setor jurídico? Então, continue a leitura e fique de olho!

Padronização das práticas e normas

Não adianta nada uma empresa estabelecer normas éticas e relevantes quanto às práticas de conduta e atuação se seus colaboradores e gestores não a seguirem, não é?

Por isso, uma das funções das companhias em compliance é monitorar e certificar-se de que todas as pessoas que fazem parte dela, em qualquer departamento ou nível de hierarquia, ajam sempre de acordo com as normas internas da empresa.

Dessa maneira, a organização torna-se uma frente forte e integrada, capaz de agir de forma conjunta na busca de seus objetivos e metas. Caso contrário, qualquer colaborador pode ser o responsável pela irregularidade que vai trazer estragos consideráveis para a companhia como um todo.

Portanto, tão importante quanto montar o código de conduta e as políticas da empresa é estabelecê-los como parte integrante do cotidiano de todas as equipes. Assim, os colaboradores entenderão que você realmente valoriza o seguimento das regras.

O resultado é que você poderá combater com força a corrupção e as irregularidades dentro da empresa. Estando em compliance, as pessoas que dão vida à companhia permanecerão agindo com ética e valor, respeitando a cultura organizacional.

Aumento da eficiência

Ao reduzir ou até mesmo eliminar fraudes, desconformidades e irregularidades, você garante uma equipe que trabalha com muito mais agilidade e eficiência. Afinal, as normas da empresa sempre buscam possibilitar a busca pelos objetivos da empresa.

Além disso, comportamentos errôneos desse tipo levam a perdas financeiras que podem ser consideráveis. A companhia também decai quando o assunto é reputação. Estar em compliance, por sua vez, mantém sua autoridade intacta e, assim, apresenta lucros e possibilidades de negócio muito mais interessantes e valiosas.

Não podemos deixar de citar também, é claro, os custos jurídicos resultantes de fraudes, corrupções e outras situações manejadas pelo compliance. Quando elas deixam de aparecer na sua empresa, você diminui os gastos com auxílio legal e demais operações corretivas ou preventivas.

Vantagem competitiva

Mais do que nunca, o público exige que as empresas que consome (seja na forma de produtos ou de serviços) sejam sustentáveis e éticas. Sendo assim, poder declarar-se em compliance representa um grande diferencial competitivo, já que, apesar da fama do conceito, ele ainda não atingiu todas as companhias do mercado.

Quando o consumidor requisita que o negócio no qual ele está interessado apresente-se como uma empresa valorosa, moral e engajada dentro de seu setor, você poderá tirar proveito da confiabilidade e autoridade advindas do fato de que você está em compliance.

A lei 12.846/13 determina que as empresas são responsáveis por quaisquer atos fraudulentos, corruptos, irregulares e ilegais de seus colaboradores, agentes, sócios e representantes. Assim, os dirigentes e administradores do negócio responderão criminalmente por atos praticados por essas pessoas contra a administração pública, nacional ou estrangeira, independentemente de dolo ou culpa.

Situações desse tipo geram uma crise de imagem para a empresa, além de uma batalha judicial que demanda grandes gastos jurídicos. Você terá que arcar com custos altíssimos (de tempo, dinheiro e esforço) para tentar se recuperar.

Portanto, é fundamental garantir que esses acontecimentos se manterão longe da companhia. Na hora de colocar a lei mencionada no parágrafo anterior em prática, a cultura da empresa quanto ao incentivo a denúncias de irregularidades, auditorias, processos internos e aplicação de códigos de ética é levada em consideração.

Otimização da produtividade

Estar em conformidade com a legislação e implementar uma cultura organizacional baseada na ética e no respeito traz benefícios imensos para o clima cotidiano do local de trabalho. Quando a empresa está em compliance, toda a equipe se envolve mais com sua missão e objetivos, fazendo com que a empresa apresente resultados melhores.

Afinal, trabalhar em meio à irregularidade é algo muito desmotivador para os colaboradores que prezam a moral e a ética. Sendo assim, o compliance aprimora fortemente a intercomunicação entre as equipes, a sensação de pertencer a um time e a vontade de trabalhar em prol de uma meta comum.

Além disso, você também terá muito mais facilidade em reter talentos e atrair os candidatos de seu interesse para a empresa. Negócios em compliance só tem a ganhar!

Acompanhamento dos procedimentos e normas

Ao atingir o nível do compliance, acompanhar tudo o que está acontecendo na empresa torna-se mais fácil. Dessa maneira, você poderá analisar os normativos e procedimentos existentes e, se necessário, repensá-los e considerar alternativas mais eficientes.

Será possível também avaliar como os colaboradores recebem as metodologias, além de identificar os valores e tópicos que mais engajam a equipe. Com isso, você estabelecerá a cultura organizacional de forma colaborativa, implementando medidas que ajam em prol dos objetivos da empresa e envolvam os colaboradores para que estes apresentem bons resultados.

Ao introduzir novos normativos, a gestão conseguirá definir com clareza quais treinamentos e orientações serão necessários, como os colaboradores os receberam e de que maneira a mensagem deve ser adaptada para diferentes públicos.

O compliance permitirá que você conheça melhor sua empresa e seja capaz de colocar em prática as medidas e normas necessárias para levá-la mais longe. Por meio da ética e da regularidade, a companhia se destacará no mercado, apresentará resultados mais interessantes e se tornará um ambiente de trabalho recompensador e motivador.

E então, gostou de entender o que é compliance e por que o setor judiciário não pode ignorar esse conceito? Como anda a cultura organizacional da sua empresa quando o assunto é ética? Tem outras dúvidas sobre o assunto? Experiências para compartilhar com a gente? Deixe seu comentário e entre para a conversa!