Durante a realização do Simpósio da Gartner/ITxpo, em Orlando, foram anunciadas as principais tendências de tecnologia para 2018. As novidades estão baseadas na inteligência artificial e na capacidade de aprendizagem automática das informações.

O foco dessas tecnologias é voltado para a combinação entre o ambiente digital e físico e promete trazer novidades para as empresas e órgãos públicos. Então, o que acha de ficar atento às tendências de tecnologia e preparar a sua organização para o novo ano? Acompanhe!

1. Sistemas com Inteligência Artificial (IA)

Uma forte tendência de tecnologia para os próximos anos é a criação de sistemas que são capazes de aprender e se adaptar aos diversos ambientes. A ideia é favorecer o uso da inteligência artificial para auxiliar nas decisões estratégicas das organizações a fim de aperfeiçoar a experiência e o relacionamento com o cidadão.

Sendo assim, essas iniciativas digitais devem provocar uma mudança nas instituições públicas e privadas, que precisarão desenvolver melhor os processos e ferramentas para utilizar os recursos de IA. Nesse sentido, as grandes empresas de tecnologia também precisarão adaptar as suas soluções para agregar a inteligência a elas.

E os gestores das organizações devem se preparar para lidar com essas soluções e promover a integração de dados. Além disso, é muito importante que as equipes aprendam a trabalhar em conjunto, reunindo setores de dados, programação e gestão.

2. Análise de dados

As soluções tecnológicas e aplicativos utilizados no ambiente de trabalho também contarão com algum modelo de inteligência artificial. Sendo assim, as ferramentas contribuirão, cada vez mais, com as atividades do cotidiano.

Em vez de substituir as pessoas, os aplicativos inteligentes surgirão para aumentar a capacidade de trabalho do ser humano, ao facilitar a análise crítica e objetiva dos dados. Afinal, elas serão capazes de automatizar a organização das informações, permitindo a descoberta de visões aprofundadas sobre uma instituição.

Portanto, esses aplicativos prometem contribuir com diversos setores das organizações, sejam eles de marketing, TI, atendimento ao público, entre outros.

3. Desenvolvimento de equipamentos inteligentes

Os robôs e equipamentos eletrônicos inteligentes devem ganhar cada vez mais espaço no mercado. Nesse sentido, em um futuro próximo será muito fácil encontrar carros autônomos, drones, aspiradores de pó funcionando sozinhos e outros aparelhos que são capazes de responder a comandos e oferecer mais conforto aos usuários.

Um modelo de “coisa inteligente” que já está disponível no mercado é o Amazon Echo. O equipamento é capaz de responder perguntas dos usuários e agir conforme os comandos recebidos. Ele auxilia em situações do dia a dia, seja em casa ou no ambiente de trabalho.

Também já está em fase de testes o uso de veículos autônomos em ambientes de agricultura, por exemplo. Nesse tipo de espaço, os aparelhos podem ser monitorados e aperfeiçoados.

A previsão, segundo as informações divulgadas no evento da Gartner, é que em 2022 os veículos inteligentes comecem a circular nas estradas. No começo, será um modelo em que haverá um condutor presente para auxiliar em casos de falhas tecnológicas, mas a tendência é que isso desapareça conforme os estudos forem avançando.

4. Mudanças nas ferramentas de comunicação

Segundo as tendências de tecnologia, as plataformas de conversação sofrerão uma grande mudança nos próximos anos.

O usuário será responsável por repassar comandos ao computador. Ele deverá executar a função ou solicitar mais informações para compreender o pedido. Isso porque as interfaces serão bem-estruturadas, elas utilizarão hardware dedicado e funcionalidades “core” nas plataformas.

5. Cloud Computing e segurança das informações

Com os constantes ataques cibernéticos, como o Wanna Cry, é cada vez maior a preocupação das instituições com a segurança da informação. Por isso, a tendência é que as tecnologias para bloquear invasões e garantir a segurança dos dados sejam ainda mais efetivas a partir de 2018.

Além das soluções de Cloud Computing — com tecnologia escalável — haverá também a Edge Computing. Ela é uma ferramenta que possui um novo modelo de arquitetura e infraestrutura para suportar os extremos das redes e os elementos da internet das coisas (IoT). Ela facilita o processamento das informações, ao fazer a coleta e distribuição de conteúdos.

Portanto, essas duas soluções podem ser utilizadas de maneira complementar para que o usuário tenha estruturas voltadas para o serviço, o controle e a segurança das informações.

6. Evolução do Blockchain

Essa infraestrutura de criptomoeda promete provocar uma transformação digital em breve. Essa tecnologia poderá ser utilizada em diversos setores: seja para serviços financeiros, na Administração Pública, indústrias, distribuição de mídia etc.

O blockchain funciona como um livro em que todas as movimentações de uma corporação são registradas. Contudo, esses dados são compartilhados com todos que estão presentes no sistema. 

Sendo assim, as transações comerciais poderão passar por muitas mudanças em alguns anos. Até porque as instituições financeiras globais, como a Bolsa de Valores de Nova York, já estão buscando a participação nesse mercado. Algumas empresas, como a Dell, já aceitam pagamentos por bitcoins — moeda virtual.

Além disso, existe um foco na segurança empresarial, principalmente no que tange os sistemas de gerenciamento de acessos (gestão de logins de usuários e autenticação), oferecendo um mecanismo de autenticação fortemente criptografado.

7. Monitoramento dos riscos

Com o risco frequente de ciberataques haverá uma tendência de monitoramento de risco e confiança (CARTA — Continuous adaptive risk and trust assessment) nas organizações em todo o mundo. Essa avaliação possibilita que os gestores possam tomar decisões com base nos dados apresentados e nas respostas.

Por isso, será necessário que as organizações adaptem suas infraestruturas de segurança. Uma possibilidade é utilizar ferramentas de DevOps, fazer testes em vários pontos de trabalho a fim de dar mais agilidade aos ambientes de desenvolvimento (Service Virtualization).

8. Realidade virtual

Também haverá mudanças nas ferramentas de realidade virtual (RV) e realidade aumentada (RA). Elas não estarão presentes apenas nos jogos eletrônicos, mas no mundo corporativo.

Ao utilizar essas tecnologias juntas, as instituições serão capazes de avaliar cenários específicos e fazer mudanças efetivas. Por exemplo: os gestores poderão identificar maneiras de melhorar a produtividade dos servidores públicos ao criar processos. Sendo assim, essas ferramentas poderão mudar a forma como as pessoas enxergam o mundo a sua volta.

Enfim, há muitas tendências de tecnologia para 2018! Portanto, o ideal é se manter atualizado e se preparar para o que vem por aí.

Gostou deste artigo? Então, que tal compartilhá-lo nas redes sociais.